Fundamentos

Coronavírus e autismo: como lidar com as mudanças na pandemia

O Brasil passa pela segunda onda da pandemia provocada pelo novo coronavírus, e as medidas de isolamento social ...


O Brasil passa pela segunda onda da pandemia provocada pelo novo coronavírus, e as medidas de isolamento social recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para contenção do vírus vêm, desde o início, causando uma mudança significativa na vida de quem convive com crianças no espectro do autismo. Por isso, muitas famílias têm vivido com muito estresse e dificuldade em lidar com os comportamentos desafiadores causados por ela. 

Pensando em como ajudar as famílias e também os profissionais que atendem crianças com autismo nesse período, nossa líder clínica Ashley Curcio, em parceria com a doutora Liliana Rocha, escreveu um artigo com dicas e recomendações para regulação emocional e manejo de comportamentos desafiadores. Veja a seguir:

Para iniciar o processo de autorregulação emocional, é necessário compreender nossos próprios sentimentos e encontrar uma atividade que nos ajuda a combater o estresse

“No momento em que você se sentir se afogando na onda de desespero, lembre-se de NADAR!” , é assim que a doutora Liliane propõe que comecemos a refletir sobre o momento atual e também consigamos iniciar o processo de autorregulação emocional. 

É importante pensar o seguinte: “Como estou me sentindo? O que meu filho está fazendo? O que me fez sentir assim?”

Lembre-se: quando seu corpo libera hormônios do estresse, certas partes do cérebro são prejudicadas (por exemplo: solução de problemas, comunicação, pensamento crítico). É essencial que você faça exercícios para se manter emocionalmente equilibrado, afinal são eles que ajudam a manter seu sistema nervoso o mais regulado possível. 

Uma prática recomendada para lidar com momentos de crise e dificuldade de regulação emocional é o ‘jogo do senso’, que consiste uma série de ações usando nossos sentidos para nos trazer de volta à realidade

Lembre-se de Nadar! (Mas o que isso significa?)

Note

Diante de uma dificuldade de regulação emocional, você pode praticar o que chamamos de ‘jogo do senso’, que assim como o próprio nome já diz se trata de uma série de ações que usam seus sentidos e te trazem de volta à realidade. Deixamos um guia abaixo, mas é importante ressaltar que você não precisa segui-la à risca e fazer sempre as 5 etapas. Pode fazer o que ajudar mais ou até misturar a ordem:

  • 5: Reconheça 5 coisas que você vê ao seu redor e as nomeie mentalmente
  • 4: Reconheça 4 coisas que você pode tocar ao seu redor
  • 3: Reconheça 3 coisas que você ouve
  • 2: Reconheça 2 coisas que você pode cheirar
  • 1: Reconheça 1 coisa que você pode provar (paladar)

O que você também pode fazer de imediato

Além de praticar o jogo do senso e também de se exercitar constantemente, existem algumas coisas que você pode – e deve – fazer para passar por esse período de uma maneira mais tranquila e proporcionar mais bem-estar para toda sua família. Veja abaixo.

Aceitar 

“Esta é uma crise global. Não há nada que eu ou alguém possa fazer para corrigir isso imediatamente. Estamos fazendo o melhor que podemos.”

Deixar rolar

Continue se engajando nos exercícios mencionados acima. Continue "notando" e fique conectado com o sistema de suporte que você tem ao seu redor, da forma mais segura possível (por exemplo, telessaúde, zoom, whatsapp, skype).

  • Se fizer sentido no seu contexto: 

continue usando as ferramentas que o time de suporte do seu filho já tem montado e que ajudou o ajudou até agora. Por exemplo: rotina visual, economia de fichas, suportes visuais para completar tarefas ou brincar, CAA (comunicação alternativa e ampliada).

Aja de acordo com o que importa

Invés de se perguntar “como posso ajudar meu filho?”. Pergunte a você mesma as seguintes questões:

1- O que eu valorizo como  (mãe/pai?) – Isso pode ser aplicado a qualquer aspecto da sua vida e com qualquer outra relação afetiva (filho, marido, esposa).

2- Como isso se manifesta no meu dia a dia? Aqui temos alguns exemplos de valores e ações comprometidas* que mostram como você pode mensurar esses valores de uma forma prática e real. 

O valor é o que você deseja e o comportamento alvo o que pode ajudar a determiná-lo:

  • VALOR: autonomia do meu filho

COMPORTAMENTO-ALVO: número de atividades independentes em que a criança se envolve sem a presença dos pais

  • VALOR: estar mais presente com meu filho

COMPORTAMENTO-ALVO: número de minutos gastos em brincadeiras com meu filho (sem meu telefone ou outras distrações)

  • VALOR: cuidar de mim

COMPORTAMENTO-ALVO: número de atividades concluídas com a ausência da criança

Quando você identifica termos observáveis e mensuráveis para esses comportamentos,  você adquire mais capacidade de:

A: Captar os momentos em que seu filho está exibindo novas habilidades que você nunca viu. Lembre-se de reforçá-las. Ou seja, incentivar seu filho a vivenciar e executar aquelas habilidades novamente, além de elogiar e destacar o comportamento para eles.

B:Emparelhar ação com a palavra (falar o que você está fazendo quando estiver fazendo) ajuda a criança a começar a entender a linguagem e aumentar o vocabulário. 

C: Apresentar atividades que exponham seu filho às metas/conceitos nos quais vocês estão trabalhando. Por exemplo, identificar itens, categorizar, imitar, solicitar e comentar, após uma análise visual da tarefa, habilidades da vida diária, atributos, conceitos de matemática e leitura.

D: Aproveite as oportunidades de aprendizado que ocorrem naturalmente. Em outras palavras, incorpore metas (acima - C) em momentos em que estão cozinhando juntos, lavando roupa, tomando banho, escovando os dentes, brincando com os irmãos, esperando as refeições, jogando independentemente e assim por diante.

 

Ashley e Liliane recomendam que você anote seus valores, comportamentos-alvos e ações que se compromete a fazer. Além disso, é importante que você leia e reveja continuamente a lista. Todos os dias pela manhã com um café funciona para muita gente, ou o máximo de vezes que puder.

Você ficará impressionado com o impacto que um compromisso tão simples pode ter.

Respire

Lembre-se que a ideia aqui é fornecer uma pausa em seus pensamentos 

ruminantes e fornecer oxigênio ao cérebro para, fisicamente, “acalmar seus nervos".

Dicas e conceitos gerais para lembrar:

1- Fornecer previsibilidade (informe o que vai acontecer e quando) e papéis produtivos são essenciais para o sucesso!

2- Ao assistir TV: inserir programas educativos e ficar “presente” com seu filho pode promover oportunidades de aprendizagem, conexão que ajuda com o estresse e regulação emocional (lembrem que seus filhos sentem o que vocês estão sentindo e emitindo)

Coloque as dicas em prática, estamos empolgadas para saber se elas ajudaram na sua rotina!



Texto produzido em parceria entre Ashley Curcio e a Dra. Liliana Rocha
*(Recurso - Evelyn Gould, PhD BCBA-D, FirstSteps for Kids, Inc. 2016)

Você pode se interessar também

Receba novos conteúdos por email

Enviamos semanalmente novas edições da nossa newsletter, com conteúdos científicos sempre atualizados para você e sua família.